O que aprendemos com o “caso Bel Pesce”?

belpesce

A Internet ferveu nas últimas semanas com o que parecia ter sido o desmascaramento de uma charlatã. Bel Pesce, uma jovem empreendedora que virou ícone dos jovens no Brasil com seus cursos e palestras de como empreender, virou alvo de uma busca incessante pela “verdade”. Seria ela tudo isso que a mídia e ela própria diziam?

A “bomba” explodiu com um texto do Izzy Nobre com um extenso “dossiê” sobre ela, mostrando como ela tinha “mentido” ou “omitido” várias situações de sua meteórica carreira. O texto caiu no gosto do povo e foi compartilhado milhares de vezes, deixando a moça numa intensa crise de imagem. A falta de resposta dela e os dias se passando fizeram a coisa escalar a ponto de portais de notícias propagarem o texto e os questionamentos como verdade escrita na pedra.

Ontem, a própria Bel Pesce publicou em sua página no Medium uma explicação sobre tudo que lhe foi questionado. Para ler, basta clicar aqui.

Agora, que lições podemos tirar de tudo isso?

Em primeiro lugar, da mesma forma que tudo o que ela diz não pode ser tomado como verdade absoluta, o tal dossiê também não. E dizer que “apenas pesquisou no google” é só uma forma de se isentar de possíveis retaliações, visto que o próprio texto (e o dos portais também) levanta uma série de questionamentos e insinuações de que a menina seria uma fraude. Já no twitter o negócio foi bem escancarado mesmo, com a Bel Pesce sendo chamada de 171 pra baixo.

Toda história tem a minha versão, a sua versão e a verdade. Com o texto publicado, IMHO ela aparou praticamente todas as arestas que poderiam existir, postando fotos de diplomas, documentos de estágios e participação em empresas, etc. Coisa que ela nem precisaria fazer, pois o google está aí para quem quiser pesquisar e ela acabou revelando coisas até pessoais demais para responder a altura todos os questionamentos, no que eu acho que ela levaria uma nota 8 pelas explicações.

A carreira dela por si só é espantosa mesmo sem “florear” o currículo. A menina tem duas graduações no MIT! Concluídas ao mesmo tempo. Não é pra qualquer um, aliás, é para poucos. Fez estágios em Google e Microsoft com alta responsabilidade e graduou-se com média 9. De fato participou da construção de várias empresas e criou um império em torno da própria imagem vencedora. O que eu acho é que em dados momentos ela não teve saco, paciência ou mesmo vontade de explicar tudo isso, por ser cansativo ou por qualquer outro motivo menor. Não creio necessariamente em má fé pra inflar algo que já é sensacional sem qualquer acréscimo.

Por mais clichê que seja, fazer sucesso no Brasil é sim, de certa forma, uma ofensa. E tendo feito tanto sucesso em tão pouco tempo, ainda mais tão jovem, certamente em algum momento faria com que ela fosse alvo de críticos, haters ou céticos com relação à sua formação e competências.

Para ela, fica a lição de que não adianta ser tão bem sucedido sem uma boa equipe de PR e sem ser claro e objetivo com relação a detalhes importantes de sua trajetória (ela tem informações divergentes em seus sites em diferentes idiomas e até mesmo em seu LinkedIn e fez declarações ambíguas que estão registradas em vídeo). O diabo mora nos detalhes. Porém, com a resposta que deu, creio eu que sairá fortalecida de tudo isso, não só por ter comprovado quase que a totalidade das coisas que diz, mas também pelo aprendizado que certamente tirou. Se pudesse apostar, acho que já já aparece um curso dela mostrando como lidar com crises ou como “cair e levantar” sem desistir dos seus sonhos.

Quem gostava dela continuará gostando, ou até mais. Quem não gostava ou não conhecia e passou a desgostar porque embarcou na corrente, não vai aceitar as explicações dela de forma alguma, Portanto, tentar convencer essas pessoas é perda de tempo (pra ela).

Eu apenas acho que ela se saiu muito bem de uma crise enorme e superou talvez o maior desafio de sua carreira, o de empreender a verdade.

Veja também

<>

Comentários

Topo