Entenda a sua banda larga

Sempre que os usuários vão contratar um serviço de banda larga, surge a pergunta: qual velocidade eu assino? Creio que essa pergunta, principalmente aqui no Brasil é respondida da seguinte forma: quanto você pode pagar?

Os preços praticados pelas operadoras ainda são abusivos, e a qualidade do serviço deixa muito a desejar. O que termina acontecendo é que hoje é imprescindível ter um acesso de banda larga em casa e no trabalho, portanto, acabamos seguindo a máxima de que ruim com eles, pior sem eles.

Além do fato de saber o quanto a banda larga irá pesar no seu orçamento, outro detalhe importante é em relação a forma como o acesso será usado. Muita gente diz que não precisa de uma banda muito larga, pois não tem hábito de baixar filmes ou seriados e músicas através da Internet. Mas acreditem, a partir do momento que você tiver uma conexão relativamente rápida, você irá odiar desperdiçar qualquer minuto que seja sem fazer um download.

Eu sou do tempo em que conectava com modem da Genius de 33.6kbps e baixava uma MP3 em 45 minutos. Isso quando achava uma MP3. Fui usuário de AudioGalaxy e de Napster. Bons tempos em que o MIRC imperava e sinônimo de hackear era abrir a gaveta do CD do seu amigo remotamente. Das BBS´s nem vou comentar.

Mas o objetivo desse post é explicar, matematicamente, qual será a capacidade da sua banda larga para que você não se decepcione após a contratação. Como grande parte das conexões brasileiras (principalmente Velox e Speedy) são via ADSL, demonstrarei de forma simples como calcular a velocidade máxima de download e upload que você terá de acordo com a conexão contratada. Lembro ainda que esse cálculo é para qualquer tipo de conexão, seja ela 3G, Cabo, Link dedicado, ADSL, etc. A questão aí não envolve a tecnologia empregada na conexão, e sim os bits e bytes trafegados.

A menor unidade de medida assumida para a informática é o BIT. Um byte, contém 8 Bits. Assim sendo, em 1 Kbyte (ou Kilobyte) temos 1024 bytes, que contém 8 bits cada um. Ou seja, em 1Kbyte temos 8092 bits.

As unidades de medida são:

Bit < Byte < Kbyte < MegaByte < Gigabyte < Terabyte

Há ainda outras unidades maiores que não vem ao caso agora. Para os padrões de arquivos de computador, a medida é em Bytes. Mas para as conexões de banda larga, a medida é em BITS. Sendo assim, quando a operadora oferece para você um link de 300kbps, para saber a capacidade máxima nominal que a sua conexão irá atingir basta dividir por 8. Fazendo essa continha simples, chegamos a conclusão de que sua banda larga poderia fazer downloads de até 37,5Kbytes / segundo.

Antes as conexões possuiam velocidades sempre em potência de 2, assim como são os pentes de memória, por exemplo. As conexões eram de 256kbps, 512bkps, 1mbps, etc. Provavelmente o objetivo das operadoras em aumentar um pouco a conexão foi por saber que na realidade nunca o valor vendido é o valor obtido de fato pelo cliente, pois diversos fatores de atenuação (piora da qualidade do sinal) estão associados, e no caso do ADSL, vão desde a distância da sua linha de telefone até a central (que é limitada e quanto mais longe, pior o sinal) até a ruídos e indução na fiação.

As perdas podem variar de 10 a 20% em casos normais, mas podem chegar até a bem mais que isso dependendo dos fatores associados que falamos antes. Usando uma conexão de 1mbit como padrão, dividimos 1024kbps (o equivalente a 1mbit) por 8 e temos o resultado de 128kbytes, que é a velocidade máxima de download que essa conexão poderá atingir.

Isso significa que se você for baixar um episódio de um seriado qualquer, que possui 350mbytes de tamanho (geralmente), você levará em torno de 46 minutos para baixar o episódio completo, caso disponibilize 100% da sua banda para esse fim.

O que eu acho? Que para usuários normais, 1mbit é mais do que suficiente. Para download freaks, aqueles usuários que se pudessem zipariam todo o conteúdo da Internet e baixariam por puro prazer, 1mbit é muito menos do que pouco. Já existem conexões ADSL2+ que vão até 20mbits ou mais. E já há conexões experimentais que chegam facilmente aos 100mbits. É como se você estivesse navegando numa rede local. Nesse caso, o gargalo deixa de ser a sua conexão e passa a ser a sua placa de rede. Mas isso é outro assunto.

A única coisa chata de tudo isso é a porca qualidade dos serviços prestados x preços exorbitantes resultando num custo x benefício ridículo para um país do tamanho do Brasil.

Veja também

<>

Comentários

Topo