BROffice ou Microsoft Office?

Uma pergunta que me é feita constantemente, e gera diversas visitas ao blog através das ferramentas de busca. Que pacote office utilizar: BROffice (Open Office traduzido para o português do Brasil) ou Microsoft Office?

Essa é uma pergunta que tem diversas respostas. Muitas variáveis estão envolvidas no processo de escolha entre utilizar uma ferramenta open-source ou o produto da Microsoft, com anos de mercado e notadamente talvez o seu melhor produto.

Para tanto, iremos dividir a opção de escolha em dois grupos: usuários domésticos e empresas. A realidade para quem utiliza o pacote office é completamente diferente nesses dois cenários, porém uma coisa que une os dois em relação a escolha é o fator principal nessa equação: custo.

Obviamente que quem optar pelo BROffice, terá esse fator descartado tendo em vista o custo zero para a utilização da ferramenta. Porém, por mais contraditório que possa parecer, esse custo zero tem um preço. E esse preço está refletido diretamente na qualidade do software bem como no seu suporte.

Segundo o site oficial do Microsoft Office, os preços praticados para as diversas opções do Pacote Office são:

2007 Office SuitesPreço estimado no varejo
/ Preço de Upgrade
Produtos qualificados para Upgrade
Office Basic 2007Disponível somente através da licença OEMUpgrade não aplicável.
Office Home and Student 2007R$379,00/NAUpgrade não aplicável.
Office Standard 2007R$999,00/R$599,00Microsoft® Works com 6.0-10; Works Suite 2000 – 2007; Qualquer Office 2000-2007 (qualquer programa ou pacote), Office XP (qualquer pacote) exceto Office Student and Teacher 2003, Office Home and Student 2007, Office XP Student and Teacher.
Office Small Business 2007R$1.099.00/R$899,00Microsoft® Works com 6.0-10; Works Suite 2000 – 2007; Qualquer Office 2000-2007 (qualquer programa ou pacote), Office XP (qualquer pacote) exceto Office Student and Teacher 2003, Office Home and Student 2007, Office XP Student and Teacher.
Office Professional 2007R$1.299,00/R$999,00Microsoft® Works com 6.0-10; Works Suite 2000 – 2007; Qualquer Office 2000-2007 (qualquer programa ou pacote), Office XP (qualquer pacote) exceto Office Student and Teacher 2003, Office Home and Student 2007, Office XP Student and Teacher.
Office Ultimate 2007Somente disponível em InglêsMicrosoft® Works com 6.0-10; Works Suite 2000 – 2007; Qualquer Office 2000-2007 (qualquer programa ou pacote), Office XP (qualquer pacote) exceto Office Student and Teacher 2003, Office Home and Student 2007, Office XP Student and Teacher.
Office Professional Plus 2007Disponível somente através de licença por volumeUpgrade não aplicável.
Office Enterprise 2007Disponível somente através de licença por volumeUpgrade não aplicável.

Esses licenciamentos contemplam ou não upgrade dependendo da versão.

Pensando no público doméstico, a Microsoft lançou recentemente diversas promoções com o licenciamento através da versão Microsoft Office Home and Student, que contém apenas o Microsoft Word, Microsoft Excel, o Microsoft PowerPoint e o Microsoft One Note. Normalmente, o custo da licença encontrado em diversos sites é de R$199,00, para uso em até 3 computadores.

Convenhamos, para usuários domésticos esse preço é bastante atrativo, custando praticamente o preço de um antivírus de qualidade duvidosa. Além do mais, pouquíssimos usuários precisam de mais do que o pacote que a versão Student oferece. Levando-se em conta o que o BROffice tem a oferecer, realmente não vale a pena abrir mão da qualidade das ferramentas do Microsoft Office para utilizar o concorrente gratuito. Nesse caso, o custo da licença não é argumento para fazer a troca bem como não serve de desculpa para manter-se utilizando uma cópia pirata do sistema. Recomendamos que se você tem Office pirata, que adquira uma licença Student (caso seja usuário doméstico) e fique regular e tranquilo.

Em contrapartida, sendo usuário doméstico, caso você não queira ter o custo com o licenciamento do Microsoft Office, mesmo que esse custo seja baixo, o BROffice ainda é uma boa opção para você. Tendo em vista as ferramentas utilizadas pelos usuários domésticos dentre as disponíveis num pacote como esse, observamos que estes usuários não utilizam nem 20% do que a suíte tem a oferecer. Sendo assim, o BROffice atenderá tranquilamente as suas necessidades.

Não entraremos em detalhes a respeito da qualidade visual e usabilidade da interface, porém é uma coisa que faz muita diferença na hora de escolher. Nesse caso, nem vale a pena comparar os dois sistemas, pois o pacote da Microsoft dá um banho nesse quesito em relação ao BROffice. A versão open-source parece uma versão de 10 anos atrás do pacote da Microsoft. Porém, reforçamos que isso varia de usuário para usuário. Alguns preocupam-se apenas com os recursos que irão utilizar, outros com fru-frus e penduricalhos visuais. Cada um com seus motivos.

No ambiente coorporativo a coisa muda de figura. Em empresas com parque superior a 100 máquinas, o custo associado para se manter todas as estações com uma licença original do Microsoft Office é altíssimo. Dependendo dos serviços que estiverem disponíveis na rede, para colocar uma estação básica de trabalho para um usuário começar a exercer sua função, a empresa poderá ter que desenbolsar até R$5.000,00. Tudo isso para um auxiliar de escritório realizar uma função secundária (e ainda assim importante para a empresa).

Assim como nos usuários domésticos, os usuários coorporativos em sua maioria tem um perfil muito parecido de utilização da ferramenta. Normalmente, ela está disponível em todos os computadores e os usuários só notam sua presença ou dão pela falta da mesma quando o Service Desk resolve remover a instalação. Frases como “Pelo amor de Deus, sem isso eu não trabalho” são normais nessas situações.

Dessa forma, a maioria dos usuários coorporativos poderão utilizar sem problemas o BROffice. Isso só se tornará um problema dependendo do segmento da empresa (se for do ramo financeiro, por exemplo, ficará complicado pois normalmente essas coorporações utilizam funções avançadas de Excel, Visual Basic, etc., que não serão realizadas com qualidade no BROffice). Não existe uma fórmula mágica ou exata para definir se sua empresa comportará ou não o uso do BROffice, isso é um feeling que a equipe de TI deve ter.

O ideal, no momento de uma migração de Microsoft Office paraBROffice, é utilizar uma equipe, célula, filial, setor, ou grupo de pessoas como cobaias para um período de testes (piloto). Dependendo do resultado, essa migração pode ser abortada ou expandida para os outros setores GRADATIVAMENTE. Jamais oriente a sua equipe de suporte para realizar essa migração em MASSA. O que poderá ser uma economia imediata para a sua empresa se tornará um custo operacional altíssimo em médio prazo. Pois os usuários terão que se reacostumar com a nova ferramenta, aprender a utilizá-la e isso irá gerar um atraso enorme e queda de produtividade.O famoso barato que sai caro.

É importante testar todas as funções utilizadas pelo usuário, pois o BROffice tem muitas das funções do Microsoft Office em menus diferentes, e algumas ferramentas disponíveis pelo sistema da Microsoft não estão presentes na versão open-source.

Se o caminho for a migração (Muitas vezes a sobrevivência da empresa depende disso. Irregularidade no licenciamento dos Softwares é um dos fatores mais importantes no que se refere a continuidade do negócio), faça um levantamento do total de licenças instaladas, separe os usuários por grupos de utilização (por ordem de prioridade), por nível de criticidade do setor e faça um planejamento detalhado da migração, determinando a equipe responsável por fazer o trabalho sujo (ir até as máquinas e fazer a desinstalação/reinstalação ou fazer isso remotamente), e os responsáveis pelas orientações/treinamento após a migração.

Com papéis bem definidos e uma equipe organizada, a migração pode ser um sucesso, causando pouco impacto na sua operação e reduzindo significativamente os custos associados com a aquisição de licenças.

Veja também

<>

Comentários

Topo