A verdadeira história da Chapeuzinho Vermelho: sexo, drogas e assassinato.

Pela estrada afora, eu vou bem sozinha
Levar esses doces para a vovozinha!
Ela mora longe, o caminho é deserto,
E o lobo mau passeia aqui por perto!

E assim começa a história da Chapeuzinho Vermelho. Mas o fato é que ela não passa de uma vadia. Isso mesmo, se você achava tratar-se de uma história meiga de uma netinha preocupada com a avó, enganou-se. Em primeiro lugar, ela é muito é uma escrotinha, que não tá nem aí pras taxas da avó dela. A glicose da velha deve estar nas alturas, ela deveria estar levando era injeções de insulina.

Outro detalhe é que a Chapeuzinho sabe que a casa da Vovó é na PQP e o que ela faz? Sabendo como andam as taxas de criminalidade ela simplesmente vai sozinha, a pé, pelo bosque pegando o caminho mais deserto que encontra. Porra, tá pedindo né? Sem falar no vestidinho vermelho provocante. E depois neguinho ainda vem reclamar do coitado do Lobo.

A moral da história é que essa Chapeuzinho é uma piriguete que tá na secura e fica dando desculpa que vai cuidar da avó, que tá doente e mora longe pra ficar dando moral pra qualquer um que passar e o pobre do Lobo foi mané e caiu na isca. Além de tudo a Chapeuzinho curte uma zoofilia.

Isso sem contar que Lobo sofre, né? É vilão na história da Chapeuzinho, vilão na história dos três porquinhos, e até o primo Coyote dele é vilão no desenho do Papaléguas. Espero que essas verdades façam justiça ao pobre do lobo, que serviu apenas de bode expiatório para uma estorinha infantil que de infantil não tem nada, trata-se de assassinato, sexo e drogas. Ou você acha que o “doce” que ela leva não é Ecstasy pra Vovó drogada?

Veja também

<>

Comentários

Topo